ANTOLOGIA NOITE ETERNA

Samhain e Halloween se tornam detalhe quando os mortos atravessam o véu e vem se divertir, atormentar, ensinar e levar os que permaneceram!

BIBLIOTECA BRUXARIA HIPSTER

Livros, filmes, séries e músicas ao seu dispor!

VÊNUS EM TOURO

Novo livro da Travanás que está sendo postado no Wattpad! A astrologia mágica de Vênus em suas mãos!

PRECISAMOS DE VOCÊ!

Seja um CDC da Bruxaria Hipster, envie textos, contos, informações ou experiências para postarmos no blog!

BRUXARIA HIPSTER

Vulgar, cômica e transcendental http://goo.gl/hoOiTe

HEREMITICAM

Informação, conhecimento e filosofia http://goo.gl/8YgzwP

YULITERATURA

Blog pessoal de Travanás http://goo.gl/Bt4dVK

BRUXARIA HIPSTER

quarta-feira, março 02, 2016

Curso de Feitiçaria



Você tem vontade de criar os seus próprios feitiços, óleos e banhos mágicos? Então você está no lugar certo. Mas dessa vez nós lhe ofereceremos ferramentas ainda mais valiosas: um curso com instruções que mudarão sua forma de enxergar o mundo e fazer com que você coloque a "mão na massa" durante três meses. Você aprenderá a reeducar a sua mente, construir, lançar e potencializar feitiços, manipular velas e energias, produzir os seus próprios feitiços, óleos e banhos. 

Assista às aulas quando e onde quiser!

Plataforma: Curso Online via Hangout*
Investimento: R$ 75 por módulo
Duração: 3 meses


Entre em contato e tire suas dúvidas!
yuletravalon@gmail.com  ou  Via Inbox

O curso de Fundamentos e Práticas em Feitiçaria contará com um grupo de estudos exclusivo onde ocorrerão debates, serão postados os estudos dirigidos, as aulas e você terá assistência para sanar suas dúvidas. Entre em contato conosco para verificar se ainda há disponibilidade de vagas na turma e inscrever-se.

* As aulas ficarão gravadas e disponíveis em vídeos privados no youtube para que você os assista posteriormente.


MÓDULOS

Módulo 1 - O Universo É Mental
- Magia: história, termos e fundamentos;
- Relaxamento, Visualização e Meditação;
- Programação e Reprogramação;
- Ataque e Defesa Astral;

Módulo 2 - Assim É Em Cima Como Embaixo
- O círculo mágico, O Altar, Instrumentos e Consagração;
- Criando os seus Próprios Feitiços 1: Produção de Óleos e Banhos Mágicos;
- Chackras, Cura e Cores;
- Magia e Manipulação com Velas;

PARTE 3 - Tudo Vibra
- Criando os seus Próprios Feitiços 2: A Arte da Invocação, Evocação e Conjuração;
- Criando os seus Próprios Feitiços 3: Produção de Talismãs e Bonecos;
- Tecnomagick, caosmagick e popmagick

quarta-feira, junho 03, 2015

Bruxaria, Bruxaria Tradicional e Wicca - Uma breve revisão

UM PANORAMA SOBRE A BRUXARIA


Hoje em dia no mundo pagão existe uma verdadeira guerra de ignorância com muitas pessoas que sabem muito pouco e adoram falar desse pouco que sabem. Esse meu texto veio de conversas com diversas pessoas, de vertentes variadas, e vou tentar mostrar a realidade misturada com meu ponto de vista. 

A bruxaria é um oficio muito antigo, não sendo ligado a nenhum tipo de religião de forma geral. O oficio da bruxaria é herético e não conhece nenhuma autoridade religiosa além do seu clã (se possuir algum).


Procissão da flagelação - Goya
Nas palavras de Yule Travalon “A bruxaria não viveu dias gloriosos, até mesmo sob poder do Império Romano (pagão). Os sacerdotes dos colegiados pagãos detinham poder sobre as nobres artes, mas para além dessas fronteiras, o poder da mulher do campo poderia ser assustador. Augúrios, adivinhações e práticas de feitiçaria foram também perseguidas entre os pagãos, sendo que, até mesmo durante uma das primeiras perseguições aos cristãos, foram estes acusados de bruxaria. A bruxaria vivia no campo, na cozinha, nos segredos que estavam nas sombras e que povoava o imaginário popular como algo pernicioso. No Império Romano (cristão) não foi diferente, pagãos foram convertidos ao cristianismo e a bruxaria permaneceu clandestina - e sobreviveu de forma clandestina."

Quando em ocasião das últimas perseguições aos cristãos, não apenas seu culto ficou proscrito, como os bacanais (que aconteciam nos bosques pela noite em honra a Baco) e os cultos a Hécate (deusa das feiticeiras) foram também jogados na clandestinidade. Isso ocorreu em um Império Romano que era pagão, o mesmo Império que institucionalmente perseguiu os cristãos.”

Vemos isso refletido nos mitos de Hekate, Medeia e Circe: Três bruxas, mulheres incontroláveis, hereges, temidas pelos homens e que desafiavam a ordem masculina. 

Sendo a bruxaria um oficio e não uma religião, é perfeitamente compreensível que aquela mulher que é católica e fala de Jesus pratique também a sua forma de bruxaria. 

Entretanto, existem algumas religiões que em sua prática se misturam de tal forma com a bruxaria que se tornam indivisível, como no caso da Wicca. Portanto, Wicca cristã é algo que não existe por motivos óbvios. É como uma igreja evangélica e umbandista. 

A BRUXARIA TRADICIONAL


A Bruxaria Tradicional (BT), apesar de um nome só não é uma coisa única: concisa e imutável. Dependendo de grupo para grupo, a BT pode ser puramente oficio ou uma mistura inseparável dos dois. Segundo Zagreus, Sacerdote da Bruxaria Tradicional Ibérica “Em essência a Bruxaria tradicional é o oficio bruxo e feiticeiro, legado de um membro a outro, em linha sucessória de treinamento. Assim algumas possuem um forte viés religioso, em detrimento de outros que não possuem uma fé aliada a práxis, e que se mesclam a diversas fés. Na BTI (Bruxaria Tradicional Ibérica) o Oficio Bruxo e o comungar com os Deuses está estritamente entrelaçado, sendo indivisíveis um do outro. É impossível generalizar sobre a Bruxaria tradicional, graças ao fato de cada caminho ser único e ter se desenvolvido em cantos diferentes, sendo essas duas formas extremos de uma “faixa”, onde existiram tradições tendendo mais a um extremo ou a outro.”

Trocando em miúdos, a bruxaria tradicional são tradições hereditárias, passadas de geração para geração, não sendo apenas familiar mas também iniciática. 

Os BTs acreditam que a bruxaria não é um caminho de todos e que deve ser tomado com seriedade e lógica, coisa que muitos grupos não parecem ter de fato. “Não que alguém seja melhor ou pior por isso, mas simplesmente não é um caminho de todos. É estupidez achar que todo mundo vai se dar bem ou se encaixar em algo. Pintura é para todos? Politica? Sociologia? Medicina? Cristianismo? Budismo? pq bruxaria seria?” confidenciou Zagreus. 

A WICCA E SUA POPULARIZAÇÃO


Doreen Valiente tomando um chazinho com a
amigue Patricia Crowther
A Wicca é uma das formas de religião alternativa muito divulgada ultimamente. Lembro que comecei lendo por ela, assim como grande parte dos pagãos de hoje. Não por se encantar com a expressão religiosa feita aqui, mas pela facilidade de material mesmo (apesar de que hoje em dia existem vários livros disponíveis para download inclusive em nossa biblioteca virtual). 

Criada em meados do século passado, a wicca foi uma forma de religião que juntou suas práticas com a bruxaria. Na época que foi criada, as religiões alternativas estavam saindo do escuro (como o satanismo por exemplo), e uma religião pagã e bruxa teve grande mídia e muitas pessoas quiserem se iniciar. É importante salientar aqui que a Wicca Gardneriana e Alexandrina também são inciática: Ou seja, você só se torna gardneriano a partir de outros gardnerianos. 

Com a difusão da Wicca, começaram a surgir grupos que tinham práticas diversas e não ligadas a Wicca Tradicional, alegando serem iniciados pelas avós, mães, tias, primas, etc. Não vou citar nomes porque já tenho tretas demais nessas costas (nem tão) velhas. 

Uma curiosidade interessante é que a maioria dos wiccanos são homossexuais (talvez como uma forma de sair do sistema patriarcal?). Entretanto, isso acaba sendo contraditório quando lembramos que Gardner, o seu fundador, era extremamente homofóbico e não aceitava homossexuais em seus círculos pois não podiam comungar (fazer o papel do sagrado masculino). Gardner, aceita as gay é pra poucas a cara no sol mana. 

Não vou me estender muito no assunto wicca, mas a mensagem principal é: A wicca não é a única forma de bruxaria e muito menos a mais conceituada. A wicca é a forma mais nova de bruxaria e que se baseia em diversas outras tradições de bruxaria que o Gardner participou. 

IGREJAS DE BRUXARIA E ASSOCIAÇÕES BRUXAS


Bom, eu realmente nem sei muito o que fala desse tipo de instituição. As instituições que tratam disso visam legitimar práticas wiccanas e bruxas, para que seja mais seguro e evite casos de estupros, entre outras coisas. 

O problema ai é o seguinte: Vocês lembram do que eu falei do caráter herético da Bruxaria? Tentar validar o clã do outro é ferir o principio da bruxaria, o principio do segredo de cada tradição. Além disso, esse tipo de órgão visa a união de todos os bruxos, o que seria um caos porque todos eles se odeiam e querem se matar na gilete.

É importante ressaltar que a Wicca “mão-direitizou” a bruxaria, que é totalmente centro-esquerda. Portanto, todo tipo de união de tradições e fiscalização não representa as outras formas de bruxaria além da Wicca. 

A BRUXARIA AFRO: HOODOO E MATRIZ AFRICANA


Quanto os negros africanos vieram para o Brasil forçadamente na condição de escravos, não tinham uma religião em comum. As vezes temos uma visão errônea e muitas vezes preconceituosa de globalizar religiões e povos africanos, mas os negros vieram de regiões muito diferentes, e trouxeram sua cultura e religião consigo. Por serem muito próximas, acabavam tendo elementos parecidos (Assim como as divindades da Europa e Asia Menor), mas não eram a mesma.

Essa estratégia de levar várias pessoas de regiões diferentes para um mesmo local foi usada para desestabilizar quem pudesse restar de resistência. Mas especialmente na América latina e no Haiti aconteceram um fenômeno único: Ao invés de um caminho se sobrepor ao outro, os vários se juntaram inclusive com as crenças regentes no local. 

No caso do Brasil foi criado o candomblé (e diversos outros caminhos atualmente) e no Haiti principalmente o Vodu. 

Esses caminhos tiveram uma forte influência da magia pagã de suas terras natais, assim como influência da religião cristã que vigorava na época. Entendo o trabalho com ervas e com os elementos da natureza, as mães de santo continuavam seus trabalhos passando o conhecimento oral através de histórias, filosofia e principalmente a culinária que até hoje é tão reconhecida. 

Assim como as curandeiras e mães de santo, no Haiti existiem os sacerdotes que desenvolviam seus trabalhos. Com o passar do tempo, o Vodu acabou se misturando com a Bruxaria Europeia e o misticismo indígena, se transformando numa vertente magicka conhecida como Hoodoo, sendo este dividido em Conjure (Feitiçaria) e Rotwoork (trabalho herbal). Mas poderiam essas práticas serem chamadas de bruxaria?

Bom, para entender essa questão devemos lembrar que bruxaria foi um termo criado para designar pessoas que não atendiam a ordem religiosa regente, sendo perseguida principalmente na idade média. Essa era uma forma de opressão e apagamento: Se você pega todas as religiões e chama tudo de bruxaria, quer dizer que tudo é um só, tudo é igual, tudo é do diabo.

A partir de meados do século passado, a palavra Bruxaria (com muito sacrifício) foi ressignificada e passou a se tornar algo bom, voltando a reintegrar a cultura popular por meio de livros (As ficções mesmo) e por meio de religiosidades que surgiram na mídia como já falado. 

Portanto, “Bruxaria” é um termo europeu e branco, não aplicável a religiões indígenas e afro. Mesmo tendo qualidades muito próximas da bruxaria (e as vezes idênticas), essas vertentes tem seus próprios nomes e não tem porque utilizar um outro. 

Concluindo...


A Bruxaria como já sabemos, é um oficio e não está ligada a nenhuma pratica religiosa em si e repugnada por diversas culturas pela história, incluindo a romana que acusava os cristãos de praticarem a tal bruxaria. Entretanto, algumas religiões possuem sua ritualística indissociável da bruxaria, como algumas formas de BT que cultivam em sua cultura o oficio da bruxaria. 

No Brasil, temos uma mania terrível de pender a bruxaria e estar a todo tempo querendo mostrar o seu lado bom e a Bruxaria nunca foi vista com bons olhos porque nunca quis. Ela é um caminho das sombras, um caminho marginal e que não deve nada a nenhum outro. Não temos formas de legitimar a tradição de bruxaria do outro. Cabe a cada um o senso do que deve ou não deve ser feito, e tentar impedir isso (por mais bondosa que seja a causa) é uma ofensa a essência da bruxaria, que é a liberdade. 

A única coisa que tenho a dizer aos iniciantes é: Observam bem onde estão se metendo. A duvida é primordial para o crescimento, e duvidar nos da a proteção que precisamos para atingir o nosso objetivo sem sermos barrados por charlatões que pregam uma bruxaria bondosa e saladas místicas que não existem. Sempre que for tentar alguma tradição, procure seus prós e contras. Um pé atrás (Ou na frente, neste caso) nunca fez mal a ninguém.


Livros que indico:
De Camelot ao olimpo. Livro que fala sobre religião comparada da Europa e Asia Menor.

Posts indicados:
Um caminho diferente da wicca
Sobre o moralismo que não nos deixa
Certo? Errado? Aceitável! 







HEUSTAM (Lucas Oliveira) cursa nutrição na União Metropolitana de Educação e Cultura (UNIME). Se diz pagão. Acredita que a ordem gera o caos, e por consequência o caos gera a ordem. Ama o fogo, e como ele, gosta de consumir tudo ate o fim. Adora selvagerias e qualquer coisa que seja tribal. Raríssimas vezes discute seu ponto de vista, por que se cansou de perder tempo discutindo.

quinta-feira, setembro 18, 2014

Edital para Antologia de "Dia das Bruxas"




A Bruxaria Hipster quer promover a literatura pagã, mágica e bruxa.
Por isso, encabeça sua primeira antologia de “Dia das Bruxas” com autores ligados ao ocultismo, paganismo, entre outras correntes e vertentes. A ideia é fornecer literatura de qualidade e anunciar novos escritores no meio pagão.
Você é um escritor? Pagão? Então se liga:

1) PARTICIPAÇÃO
1.1.  A antologia “Dia das Bruxas” é promovida pela página Bruxaria Hipster (criada por Breno Loeser) e pelo seu blog (criado por Yule Travalon [Travanás] & Thiago Souza [Hekator]).
1.2. Poderão participar da antologia todos aqueles que se professam pagãos, bruxos, magos, feiticeiros, espiritualistas, etc. Sejam residentes do Brasil ou fora deste, mas que possuam como língua mater a língua portuguesa.
1.3. Das características da antologia: A antologia “Dia das Bruxas” receberá única e exclusivamente contos e crônicas cujo tema se passe no dia das bruxas e estejam vinculados com o paganismo e ocultismo (instrumentos, práticas, feitiços, lendas, enfim, vale brincar com o imaginário popular e soltar a criatividade, entretanto, que haja referências claras sobre a proposta, que é apresentar elementos reais dentro de um conto e crônica).
1.4. Poderão participar da antologia autores com mais de dezesseis anos.
1.5. Poderão ser enviados mais de um conto\crônica por pessoa (mas, avisamos de antemão que apenas publicaremos um deles, o que considerarmos que se encaixa melhor na proposta da antologia ou que se diferencie genuinamente dos demais selecionados.
1.6. A participação será gratuita aos selecionados, como o projeto não prevê lucro, os participantes não receberão exemplares ou quantia em dinheiro, mas terão seus nomes, contos e crônicas divulgados pela Bruxaria Hipster. Nosso intuito é estimular a produção de uma literatura de realismo fantástico, fantasia e ficção pagã e bruxa.
1.7. Não estaremos aceitando fanfics de livros ou filmes, que fique claro.
1.8. A antologia contará com 20 contos. Serão selecionados, ao todo, DEZ AUTORES, que juntamente aos dez convidados especiais da Bruxaria Hipster (entre eles Diego King, Odir Fontoura e Leonardo Chioda), formarão parte dos 20 participantes da antologia “Dia das Bruxas”.
1.9. Deixamos claro que esse projeto não prevê lucro. Ao final, a antologia será lançada pela Amazon e por uma editora independente, a quem desejar adquirir o livro físico. No caso da Amazon, o livro ficará completamente gratuito. No caso da editora independente, o livro terá o preço de fábrica, não ficando nada para os organizadores ou autores.

2) ACEITAÇÃO
2.1. Serão aceitos contos e crônicas em língua portuguesa (de autoria do candidato), da temática pertinente à antologia, com limite máximo de 10 páginas (formato A4 do Word); Fontes: Georgia tamanho 11 ou Times New Roman tamanho 12, espaçamento de 1,5 entre linhas. Justifique o seu texto, por favor.
2.2. NÃO serão aceitos contos e crônicas que NÃO se passem no dia das bruxas ou que não contenham os elementos que façam referências ao paganismo, ocultismo, bruxaria, etc.
2.3. NÃO aceitaremos esboços de ideias, resumos para os contos ou contos incompletos. Estamos em cima do prazo e não teremos tempo para esse feedback. Acaso tenha dúvidas, mande-as diretamente para a página, que prontamente responderemos.
2.3. Os contos deverão ser enviados para o e-mail: (blogbruxariahipster@gmail.com) junto com os dados de inscrição.
2.4. Os contos e crônicas inscritos deverão contemplar, obrigatoriamente, os seguintes elementos:
a) A narrativa deve se passar no DIA DAS BRUXAS; o tempo (manhã, tarde, noite, madrugada, idade média, idade moderna, contemporânea, etc) e espaço fica a critério do autor;
b) Possuir, em sua narrativa, elementos do paganismo, ocultismo ou bruxaria (servos astrais, lendas urbanas, instrumentos mágicos, rituais, maldições, invocações, referência aos deuses ou à mitologia, reencarnação, entre outros temas, citamos esses apenas para despertar sua imaginação);
c) A narrativa pode ser tanto em primeira quanto em terceira pessoa;
d) Não ultrapassar as 10 páginas em A4 do Word.
2.5. Não serão aceitos os contos que:
a) Tenham sido produzidos por terceiros;
b) Contos que ultrapassem o limite estipulado de páginas;
c) Que não venham formatados de acordo com a exigência da antologia;

3) SELEÇÃO
3.1. Os contos e crônicas serão avaliados pelos organizadores da antologia. Eventualmente poderão ser feitas avaliações por leitores betas (um conto para um leitor beta) que não serão identificados. A avaliação se dará pelos seguintes critérios:
a) Criatividade e originalidade do enredo;
b) Adequação do enredo ao tema proposto – Dia das Bruxas.
c) Uso de boa gramática e ortografia;
3.2. NÃO daremos parecer sobre os contos e crônicas que não forem selecionados. Podemos esclarecer, eventualmente, se alguma norma não foi empregada.
3.3. Ao se inscrever para a antologia de “Dia das Bruxas” o autor autoriza automaticamente a veiculação de seu conto pela Bruxaria Hipster e seus organizadores. O conto permanecerá como propriedade do autor, a Bruxaria Hipster NÃO reivindica os direitos autorais. Entretanto, após publicação da obra, o autor não poderá retirar seu conto da mesma;

4) INSCRIÇÕES
4.1. As inscrições para a antologia de “Dia das Bruxas” estarão abertas no dia 18 de SETEMBRO de 2014 e serão encerradas à meia noite do dia 20 de OUTUBRO de 2014. A inscrição será aceita apenas pelo e-mail, não mande material para a página, apenas dúvidas;
4.2. Confira o formulário de inscrição na parte 6 desse formulário.
4.3. As inscrições são gratuitas.
4.4. Em caso de fraude comprovada, o conto será excluído automaticamente da antologia, mesmo depois de sua publicação – a pessoa não poderá mais participar dos projetos da Bruxaria Hipster como grupos de estudo, antologias futuras, etc.
4.5. Os participantes concordam em autorizar, pelo tempo que durar a antologia, que a BRUXARIA HIPSTER faça uso de seu conto ou crônica, para a divulgação da antologia “Dia das Bruxas”, sem nenhum ônus para os organizadores, e para benefício da maior visibilidade da obra.

5) OUTRAS INFORMAÇÕES
5.1. Estamos disponíveis para esclarecer dúvidas pela página da Bruxaria Hipster.
5.2. Para todos os efeitos legais, os participantes da presente antologia “Dia das Bruxas” declaram serem os legítimos autores dos contos e crônicas escritos e garantem que são inéditos. Isentam a Bruxaria Hipster de qualquer bate cabelo que ocorrer.
5.3. A ordem dos contos e crônicas será discutida com os AUTORES CONVIDADOS.
5.4. A Bruxaria Hipster reserva-se ao direito de excluir qualquer conto ou crônica posteriormente que tenha burlado o regulamento;
5.5. Sua participação nesse projeto não garante participação nos próximos;
5.6. A participação nesta antologia implica na aceitação total e irrestrita de todos os itens deste regulamento;

6) FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO
a) Nome completo do autor e do conto;
b) Data de nascimento;
c) Endereço eletrônico (e-mail ou perfil privado no facebook), esse endereço será inserido em “contatos” no livro, então, que seja algo público. Não aceitaremos páginas ou blogs como endereço eletrônico;
d) Informação de onde e como ficou sabendo da antologia;
e) Trabalhos anteriores (livros, contos e crônicas publicados por editoras, acaso os tenha);
f) Site ou blog e pequeno resumo sobre este;
g) Mini biografia de no máximo oito linhas;

Envie para: blogbruxariahipster@gmail.com


Observação: Ao enviar por e-mail o seu conto ou crônica, coloque em assunto o seu nome completo e o título de seu conto ou crônica; Faça uma pequena apresentação no corpo do texto; o formulário de inscrição deve ser enviado JUNTO com o conto ou crônica, ou seja, no mesmo arquivo do Word;

domingo, agosto 10, 2014

Os Hereges de Santa Cruz



            Estava ensaiando escrever esta resenha a algum tempo – desde que eu li o livro. Meus planos eram de só fazê-lo quando eu já tivesse lido o segundo livro (sou um saco para finais, não importa o qual bom seja o enredo do livro, se o final me decepcionar tudo vai por água a baixo). Acontece que o segundo livro ainda não saiu e eu estou a algum tempo sem escrever para o blog, então estou juntando útil ao agradável.
            Tomei conhecimento do livro dentro do próprio Bruxaria Hipster, uma postagem contendo um trecho do livro, fui à página fonte e lá li outros trechos. Chamou minha atenção, comprei, li e gostei.
            Esta é uma publicação independente, então tudo – capa, formatação, edição e revisão – vieram do esforço do autor, Enrique Coimbra. Pelo livro descobri também seu site Discípulos de Peter Pan e também me apaixonei. Mas voltando ao livro....


            Estou sempre em busca de novos títulos no nosso meio. Eu sinto MUITA falta de bons romances tendo o ocultismo como tema – ênfase nas palavras “bons” e “ocultismo”. Claro, há ótimos livros de fantasia, mas poucos dão uma pegada de abordar uma magia mais próxima do real, com ‘exageros aceitáveis’ como eu gosto de dizer. Quando temos um romance sobre bruxaria ele costuma seguir quase sempre o mesmo roteiro: um adolescente (geralmente uma menina) se descobre uma bruxa por meio de linhagem sanguínea, ela descobre poderes especiais que mudam a já harmoniosa vida dela, então ela lutará com um vilão usuário de poderes sóbrios.
              Não é o caso de Hereges de Santa Cruz.
            Sim, os protagonistas são adolescentes, mas não há nada de especiais neles, muito pelo contrário. Eles não lutam contra forças das trevas, pois eles mesmos as usam. Eles não se descobrem dotados de poderes especiais, a magia não é um bônus, para eles magia é a única saída, a única chance que eles têm de melhorar a vida de merda que tem.
            Já aviso, esse não é um livro para todos, está longe de ser como os livros adolescentes que fazem sucesso por ai. Este é um livro denso...como o Sheol. Enrique mostra que fez seu dever de casa, em seus rituais ele dá detalhes grotescos e cruéis e deixa mais do que claro com que tipo de magia os Hereges estão se metendo. Uma resposta logica para combater o tipo de crueldades que eles mesmos sofrem.

            Sem dar spoilers, a estória se desenvolve quando Écio, Guido e Thaísa encontram A Caravana, motoqueiros dispostos a compartilhar com os três o segredo da imortalidade. Aqui eu tive um pouco de medo do livro cair no clichê de sempre – comercio de almas – livros, filmes e séries, se tem um personagem imortal e ele lida com magia, pronto, vendeu a alma para o demônio. Qualquer um que tenha estudado minimamente ocultismo sabe que vender a alma, absolutamente, não é possível. Como eu disse, o autor fez seu dever de casa e nos deu uma alternativa muito interessante, seu conceito do que é um demônio e como o pacto é realizado me convenceu.
            Uma vez dotados de poderes reais, uma vez que são capazes de se vingar de todos aqueles que pisaram neles, uma vez que poderiam finalmente dar as costas para o mundo e compartilhar a imortalidade juntos...bem, é ai que tudo começa a cair por terra. Como eu já disse não temos uma distinção clara de certo e errado, bem e mal, não há vilões além deles mesmos, e para mim os personagens são o ponto alto do enredo. Você consegue se identificar um pouco com cada um deles, pode amar todos e paginas a frente odiar todos, amar a amizade deles e ao mesmo tempo ver as falhas daquele grupo.
            Estórias onde a amizade é ponto principal mexem comigo, eu me vi sofrendo quando eu vi a deles se despedaçar por erros cometidos por ninguém além deles mesmos. Enrique faz bem seu trabalho ao pôr os pontos de cada um, não há um errado, todos têm partes nas falhas. O “líder” que não percebe a própria arrogância, que prefere a amizade de um morto em detrimento aqueles que estão próximos a si só por ser mais fácil. O outro é a própria essência do poder e talento desperdiçados, o cético que nega o que está bem na sua frente simplesmente para não ter que arriscar, aquele que prefere mendigar um amor forçado em vez de permanecer ao lado de seus iguais. E claro, o estereótipo de quem diz a si própria que é melhor que os outros, e acredita, incapaz de vez a mediocridade de suas ações pois está ocupada demais tentando parecer o que não é.

            Mas já estou falando demais. Eu curti o livro, me tornei fã do trabalho do Enrique e estou no aguardo da segunda parte bem como de qualquer outro livro que ele lançar. Se você se interessou pelo livro e quer adquirir uma exemplar, basta clicar na imagem abaixo (está realmente muito barato)

Se você se interessou pelo livro, clique na imagem e veja onde comprar a versão física ou digital
Clique na imagem



HEKATOR (Thiago Souza) estudante de arquitetura e urbanismo na Universidade Estadual de Goiás (UEG). Me identifico como pagão e bruxo. Não espere que eu numero títulos e iniciações, sou, e sempre serei, apenas um mero estudante. Adoro o tarô. Sou absurdamente frustrado no campo da projeção astral. Me irrito com facilidade quando vejo esquisotéricos palestrando suas besteiras.Cultuo unicamente o panteão grego, mas sou apaixonado por todo tipo de mitologia pagã. Até gostaria de falar mais sobre, mas sou absurdamente péssimo em me definir e me descrever.

domingo, junho 15, 2014

Glamoury: cosméticos para que?



Fonte: Edain McCoy, “Encantamentos de Amor”
Post original: Nadia Bertolazzi, Históriadora e Bruxa
Natureza: Não-manipulativo.
Número de itens: 3+
Tempo necessário: cerca de uma hora.
Melhor ocasião: Após escurecer; sexta-feira ou domingo; primeiro de maio, primeiro de agosto, primeiro de novembro ou primeiro de fevereiro.



O filme sensacionalista de 1996, “Jovens Bruxas”, mostrou um feitiço conhecido como “Glamour”. O feitiço permitiu que uma das personagens radicalmente alterasse sua aparência para se parecer com outra pessoa, de forma que ela pudesse atrair a atenção sexual de um rapaz específico. Apesar de Hollywood ter feito com que essa transformação parecesse muito fácil, e por demais óbvia pra qualquer mago experiente, esse tipo de feitiço possui raízes na antiga magia celta. 

Quando a primeira leva das tribos européias conhecidas hoje como celtas chegou à Irlanda (cerca de 1500 aC), conta-se que eles encontraram a ilha habitada por uma raça de seres divinos conhecidos como os Tuatha De Danaan, ou as Crianças da Deusa Dana. Os Tuatha eram belas pessoas, louros, altos, bem constituídos, e inegavelmente atraentes. O mais enlouquecedor é que eles pareciam ser capazes de mudar a sua forma física a seu bel-prazer, parecendo ser ainda mais adoráveis quando queriam conseguir o que desejavam dos invasores. 
Apesar de os Tuatha terem finalmente perdido a batalha pela Irlanda [graças à canção de Armergin], eles não se foram nem estão esquecidos. Em vez de abandonar a terra natal [uai... a terra natal deles não era às margens do Danúbio, sô?], os Tuatha simplesmente foram para baixo da terra e se tornaram a mítica raça de fadas da Irlanda moderna. Desde então existem abundantes lendas sobre fadas no folclore irlandês, as quais, de tempos em tempos, saem de suas vilas subterrâneas, aparecendo em fascinantes disfarces, para colocar humanos desafortunados em situações perigosas [as pessoas costumavam confundir Pictos, Tuatha De Danaan e fadinhas de jardim]. Esse processo de criar uma ilusão de beleza é conhecido como Glamoury, a raiz da palavra Glamour, e é uma forma pouco conhecida, mas muito potente, de magia celta.


Como fazer 


Para criar a sua própria ilusão de Glamour você vai precisar de um espelho que tenha sido atingido pela luz de uma Lua Cheia, e uma vela verde e outra laranja. A cor verde é associada ao planeta Vênus, que governa a beleza pessoal. A cor laranja contém a energia da atração e ajudará a atrair as pessoas à sua volta. Se você realmente não se sintonizar bem com a cor laranja, poderá usar vermelho, que é a cor da paixão e o ajudará a projetar carisma e energia exultante. Você também precisará de algo para usar como um amuleto para disparar a ação do feitiço. Uma gargantilha ou anel de qualquer tipo é o ideal, pois podem ser usados a qualquer hora sem que ninguém considere estranho. 

Faça este feitiço à noite, quando as coisas naturalmente parecem distorcidas para o olho humano. Esta conexão irá tornar a idéia de mudar plausível para sua mente subconsciente e fará com que o processo seja mais fácil. Você também precisará estar sozinha e com o quarto o mais escuro possível. Ajuda se você fizer este feitiço voltada para o oeste, a direção tradicional do Outro Mundo irlandês, a morada dos Tuatha.
Coloque o espelho à sua frente e acenda as duas velas, colocando-as atrás de você, formando um triângulo, com o espelho em uma das pontas, as velas nas outras duas pontas e você no centro. Você não quer que a luz das velas seja refletida no espelho. O ideal é ter apenas uma luz suave, vinda de trás, para que você possa ver a si mesma refletida no espelho. Seu rosto aparecerá ligeiramente no escuro e haverá um halo de luz dourada ao redor de sua cabeça ajudando a obscurecer suas feições, que é exatamente a condição na qual esse feitiço funciona melhor. 
Segure o amuleto que você escolheu nas mãos enquanto fecha os olhos e relaxa diante do espelho. Quando você estiver pronta, abra os olhos e olhe de forma suave para o seu reflexo; não se assuste se ele parecer estar em movimento, formando uma nova pessoa. Este será o sinal de que seu feitiço está funcionando. 
Sele o feitiço de Glamour colocando o amuleto em seu corpo e repetindo um canto rimado.

Em minha experiência, é raro quando um escritor de livros mágicos escreve uma versão precisa de seus próprios feitiços. Não apenas porque bons feitiços são personalizados demais para funcionarem bem para outras pessoas em sua forma exata, mas também porque deixá-los levemente diferentes do original ajuda a preservar a energia do feitiço. (Lembre-se da regra mágica “Manter o silêncio”!) [Ela se refere ao Quaternário Hermético: Saber, Querer, Ousar e Calar. Ou, em Latim: Noscere, Audere, Velle, Tacere. O quinto poder, aliás, é Ire, “Ir”. Isso é quando o quatro se transforma em cinco. Mas voltemos ao assunto.] O feitiço a seguir é o texto exato de um encantamento de Glamour extraído extraído de meu próprio Livro das Sombras que quero oferecer para seu uso pessoal. Usei-o anos atrás em uma fase insegura, e ele foi uma magia muito poderosa para mim. Como é de meu uso pessoal, foi escrito a partir da perspectiva de uma mulher, mas isso não deve impedir que os homens possam modificá-lo para que se adapte a seu uso. A linguagem é forte em algumas partes e pode deixar algumas pessoas desconfortáveis.

Lembre-se do que eu avisei antes: feitiços são apenas esquemas; você não deve hesitar em mudar, adaptar ou modificar estas palavras e imagens para algo que o faça sentir-se confortável [essa é uma atitude da qual eu discordo completamente, mas anyway...]. Assim como com quaisquer outras palavras de poder, crie-as cuidadosamente ou você pode terminar obtendo algo que não quer. Uma vez incluí um verso neste feitiço de Glamour sobre ter uma “face jovem” e, em vez de parecer mais jovem, acabei tendo uma crise de acne juvenil. [É por essas e outras que eu digo: pense cem mil vezes antes de mudar qualquer feitiço! Mudar só pra “sentir-se mais confortável”, sem que haja um bom motivo, acaba dando caca.] Levei duas semanas para perceber que a causa eram as palavras que eu tinha usado no feitiço. Quando eliminei esse verso do feitiço, os sintomas sumiram.


“Da morada segura, do lago profundo,
Do sono se erguem os Tuatha para o mundo,
Algumas vezes aqui, outras acolá,
O que eu quiser o meu rosto mostrará.

Corpo esguio, firme, atlético, saudável
sexy à noite, de dia adorável, 
Irresistível a quem o vir, 
Todos os olhares há de atrair.

Beleza, carisma, sensualidade,
A atenção de todos roubo de verdade.
Em forma e rosto absoluta perfeição,
Minha imagem jamais perde a sua atração.

Perturbo os pensamentos, danço na mente
Daquele que meu sorriso cativa de repente
Apaixonados por mim, todos ficarão,
Pois o que eu quiser é o que eles verão.

Rosto de uma Deusa, olhos incandescentes,
Cabelos lindos, resplandecentes,
Vindo de um poder cuja chave eu agora posso ter
Este Glamour me torna o que eu sempre quis ser.”

Sempre que quiser projetar essa imagem glamourosa para o mundo, coloque o amuleto e repita as estrofes do feitiço. Após fazer isso, você deverá sentir um fluxo de energia vindo de dentro e chegando à superfície. Curta-a e saiba que você será irresistível para todos os que a virem.
Apague as velas [com aquele utensílio de altar que parece um sininho com um cabinho, ou com uma colher, nunca com um sopro] e cubra-as para proteger a sua energia até que você decida fazer o feitiço novamente. Você pode repeti-lo quantas vezes forem necessárias para reforçar a imagem que você quer projetar. Você também deverá dar suporte ao seu feitiço no mundo físico fazendo tudo o que for prático e confortável para torná-la fisicamente atraente. O feitiço irá reforçar o seu desejo de fazer isso. #






HEUSTAM (Lucas Oliveira) cursa nutrição na União Metropolitana de Educação e Cultura (UNIME). Se diz pagão. Acredita que a ordem gera o caos, e por consequência o caos gera a ordem. Ama o fogo, e como ele, gosta de consumir tudo ate o fim. Adora selvagerias e qualquer coisa que seja tribal. Raríssimas vezes discute seu ponto de vista, por que se cansou de perder tempo discutindo.

segunda-feira, maio 19, 2014

Vegetarianismo e paganismo: É preciso ser vegetariano?


Para iniciar, quero declarar que sou vegetariano desde os 6 anos de idade (com algumas interferências por parte da minha mãe e avó que sempre quis que eu comesse carnes) e estou quase me formando em nutrição, dedicando minha iniciação cientifica ao vegetarianismo. 


No fim de cada ritual existe um banquete com alimentos que simbolizem aquela cerimonia, no caso de sabás existem alimentos da estação que esta sendo comemorada. Alimentar-se é o mais primordial dos desejos humanos. Nosso instinto mais forte é o da sobrevivência, e para viver precisamos comer. Apesar de instintiva e impossível de ser controlada, a alimentação perpassa pelas mais diversas áreas de nosso ser, o que influencia na nossa escolha alimentar. 

Chama-se vegetariano aquele que não come produtos cárneos, podendo ser vegano (totalmente abstente de produtos animais), vegetariano ovo-lácteo (que consome leites e ovos), lactovegetariano (que consome apenas leite) e mais recentemente os semivegetarianos (que consomem aves muito raramente).

A escolha da alimentação vegetariana esta ligada a consciência ambiental e ao cuidado com o nosso planeta e acabam afetando na saúde numa forma positiva por prevenir diversas enfermidades. É corretíssimo afirmar que este estilo de vida nos proporciona uma maior leveza e calma em tudo, o que pode ser explicado pela diminuição dos niveis de testosterona em pessoas vegetarianas. Para os praticantes de Yoga é notório a mudança na flexibilidade quando adotado uma dieta vegan regrada.  Entretanto, não existe ligação nenhuma do paganismo com esta escolha alimentar (a não ser os hinduístas por questão histórico-cultural). 

Filosoficamente não acho errado comer animais. O paganismo diz que a vida é tão importante quanto a morte.Devemos lembrar que  nossa religiosidade se baseia na natureza, onde a vida e morte são um ciclo de retroalimentação (Uma se alimenta da outra), e de tal forma, podemos nos alimentar de outros seres. 
Mas o que nós fazemos hoje torna a coisa totalmente doentia. Demolimos floresta inteirar só para criar gado, que em grande parte das vezes é abatido de forma clandestina e dolorosa (mesmo que no brasil a fiscalização esteja bem mais rigorosa). Os animais são criados aos milhões para morrer sem o minimo de dignidade por funcionários mal qualificados (Que já não devem ter um juizo muito certo, né? Porque venhamos e convenhamos, trabalhar em abatedouro é totalmente coração de pedra).

Portanto, alimentação é uma escolha pessoa que possuem diversas influências. Se você é vegetariano ou vegano precisa entender que cada um tem seu tempo para assimilar algumas coisas - e muitas dessas pessoas nunca assimilam. Além do mais, existem pessoas que não conseguem parar de comer carnes por questões biológicas ou socioeconômicas. Um exemplo disso são atletas de alto rendimento, que muitas vezes não conseguem hipertrofiar sem o consumo de carnes. 

Os mitos sobre o vegetarianismo.


"Ai, mas eu não quero me tornar vegetariano. Vegetariano não come nada."
Filho, tudo no universo é feito de carne? Temos uma diversidade alimentar muito maior do que qualquer um
onívoro, além de uma chance muito menor de nos tornarmos obesos e ter doenças cardiacas.

"Mas eu não gosto de soja..."
Nem eu. Na verdade, acho soja uma coisa de vegetariano poser. Soja é horrível e não é bem digerida, além de causar ginecomastia no homem (crescimento de peitinhos). Comer coisa ruim não é ser vegetariano. Comer coisa ruim é ser burro.

"E o tofu?"
Eu NÃO AGUENTO MAIS essa mania das pessoas. Toda vez que eu chego em um restaurante e uso a palavra " vegetariano " perguntam se eu quero um tofu. Gente, Tofu, Shoyo, Missô, Algas é culinária MACROBIÓTICA. É muito difícil entender que vegetariano só não come carne? 

"Mas você come ovo todos os dias? VOCÊ VAI MORRER"
Ovo todos os dias não faz mal. Podemos comer até uma gema por dia sem alterar no colesterol, além de ter colina, uma substancia que é ótima pro desenvolvimento da inteligencia.

Sobre cereais integrais e açúcar mascavo
Por incrível que pareça, a maioria das pessoas pensam que vegetariano também só come coisas integrais. Porque só comeríamos coisas integrais? Não tem sentido algum isso. Ta certo que as massas integrais evitam muito a gordura localizada e faz um bem danado ao corpo, mas não tem ligação nenhuma com o vegetarianismo em si.
Quando ao açúcar mascavo, ele é só um açúcar mais "sujinho" e engorda do mesmo jeito. 

"Vegetarianos são gays"
Olha, isso eu realmente não sei dizer. Nunca conheci um veg hétero. Mas também, acho que só convivo com uns 2 héteros (contando com minha mãe) 

Hábitos que trazem benefícios
Bruxaria é conhecimento, e conhecer a sua cozinha
é ter as chaves da longevidade e disposição física.

Os hábitos apresentados aqui não são estritamente vegetarianismo, mas são mais aderidos por essa população (talvez numa tentativa inconsciente de compensar os nutrientes que não comem da carne).

Especiarias (cravo-da-índia, pimenta do reino, canela, macis, cúrcuma, gengibre)
O uso de especiarias se mistura com a história da cozinha. Desde muito tempo o homem busca dar um sabor e durabilidade melhor aos alimentos. Usar especiarias enriquece o prato e segundo as correntes exotéricas, ajuda o prana a fluir pelo corpo, desimpedindo as energias de caminharem livres. 

Tome mais chá e menos café
Primeiramente é bom que você conheça os chás, afinal, que tipo de bruxo você é? Tem que saber herbologia, rapá. Chás geralmente tem substancias que bloqueiam os danos causados pela idade nos orgãos internos e externos. Chá verde depois do almoço ajuda na digestão e diminui rugas :p

Reduzindo o número de laticínios
O homem é o único animal que continua tomando leite depois de adulto, entretanto, o leite é extremamente alergênico. Mais de 60% das pessoas que tem rinite possuem alergia ao leite. Tente ficar um mes e meio sem leite e note a melhora na pele e nas alergias. 

Medite sobre o alimento
Não é pra sentar encima de um prato de feijão ein galera. Sinta cada gosto. Tente comer cada alimento separadamente para depois juntar. Você vai ver que cada coisa tem um gosto incrível por si só.

Castanhas, castanhas urgente
O Brasileiro não tem habito de comer castanhas, mas elas possuem papel fundamental no nosso corpo. Comer duas castanhas-do-pará (ou 5 de caju) por dia ajuda a prevenir resfriados e outras doenças de cunho imunológico. 

Mais garfos e menos facas
É uma lógica bem simples: Quanto menos alimentos você precisar cortar com a faca, melhor (Ou seja, muita verdura e muita fruta!).

É isso ai galera. Esse post foi além de um desabafo, uma chamada para que prestemos mais atenção na nossa alimentação. Não somos inimigos do nosso corpo e nem podemos ser. Abra seus horizontes, teste novos alimentos e deguste cada gota do sagrado na terra. 








HEUSTAM (Lucas Oliveira) cursa nutrição na União Metropolitana de Educação e Cultura (UNIME). Se diz pagão. Acredita que a ordem gera o caos, e por consequência o caos gera a ordem. Ama o fogo, e como ele, gosta de consumir tudo ate o fim. Adora selvagerias e qualquer coisa que seja tribal. Raríssimas vezes discute seu ponto de vista, por que se cansou de perder tempo discutindo.
 
+ POSTAGENS
Copyright © 2014 BRUXARIA HIPSTER